9 Dicas para Definir o Melhor Nome para a sua Empresa

Escolher um bom nome para a empresa é essencial para que sua marca seja lembrada com facilidade pelos clientes. Mas chegar a um bom nome não é uma tarefa fácil. Pior ainda é fazer algo internacional, com significado em mais de um idioma, por exemplo.

O nome molda a identidade do negócio. Em tese, é como decidir como uma criança vai se chamar. É algo permanente, que dura para a vida toda. Por isso é preciso analisar várias opções com calma até chegar à melhor escolha. O empreendedor Neil Patel, cofundador da Crazy Egg, uma empresa de tecnologia que permite a qualquer pessoa que tem um site descobrir quais são as áreas mais visitadas pelos usuários, escreveu um artigo para a revista Inc sobre o tema. Em seu texto, Patel deu nove dicas de como decidir o melhor nome.

 

Seja claro
Tanto o som quanto a sensação que o nome do seu negócio transmite devem sugerir exatamente o que a sua marca é. Por exemplo: um nome como “NhamNham” sugere algo relacionado à comida. Portanto, não é uma boa marca para um negócio de finanças. O nome se tornaria confuso e desencorajador. Uma empresa de finanças deveria usar um nome relacionado a números, planilhas, livros.

Faça o nome vender a identidade da marca
Além de ser claro, o nome precisa ser descritivo. Deve transmitir informação sobre o ramo da empresa, a atitude, os objetivos. Mas isso não significa que o nome precisa ser literal ao produto ou serviço, mas deve captar a essência, a experiência e os benefícios da marca. A Amazon, por exemplo, escolheu um nome que sugere algo grande e abrangente.

Crie um nome fácil de lembrar
O cérebro humano não é muito bom para guardar nomes porque guarda essas informações na memória de curto prazo. É como se nossa cabeça fosse um computador que trabalha com muitas informações simultâneas por um tempo, com uma série de janelas abertas. Uma hora o sistema trava e esquecemos coisas. Para ser facilmente lembrado, o nome precisa estar relacionado a uma sensação, atitude, um sentimento. Assim o cérebro terá facilidade para memorizar. Escolha um nome que seja curto, único e com sons familiares às pessoas.

O nome deve ser curto
Embora a capacidade de armazenamento do cérebro seja considera ilimitada, há sempre um problema para armazenar, processar e reter tanta informação. Por isso, não queime o cérebro de seus clientes. Nomes curtos são mais fluidos e fáceis. Exemplos? Uber, Apple, IBM.

Escolha um nome fácil de soletrar
Não crie um nome que seja uma variável de uma palavra simples, mas com letras diferentes (como w, y, k). Isso só vai confundir as pessoas no momento de soletrar. Casos assim só valem quando a palavra for completamente nova.

De olho nas tendências
Se o intuito for atingir um público antenado, o nome pode dar uma sensação de tendência. Mas é preciso tomar cuidado para que a marca não se torne completamente datada no futuro. O nome precisa continuar bom daqui a cinco anos. Além disso, é importante procurar um nome com um domínio disponível na internet.

Seja único
Quando uma marca entra em um mercado, compete com outras para ser lembrada pelas pessoas. Se falha ao captar a atenção, certamente enfrenta problemas. São as características únicas que reforçam a identidade.

Apelo com o público-alvo
Um nome precisa ser atraente para o público-alvo da marca. Para chegar ao nome ideal, é preciso entender a linguagem usada pelo público que deve ser alcançado. Qual é o estilo das pessoas? Quantos anos elas têm? Qual é o salário e a educação? Qual é o nível de sofisticação?

Uma marca para sempre
O nome precisa ser maior que você. É algo que vai durar por gerações, que pode ser revolucionário e ter efeito em uma geração toda. Por isso não deveria estar ligado ao nome de uma pessoa. Walt Disney é uma das poucas exceções em que um nome de uma pessoa se manteve por muito tempo.

 

Compartilhe esse post

Fale Conosco!